Re-Arte – Releituras Coletivas – Exposição Em Dezembro

O Artista Plástico e Psicanalista Henrique Vieira Filho e demais Artistas Convidados se reúnem até dia 13/12 para  as conclusões sobre Projeto Re-Arte: e entrega das Obras aos homenageados e compradores

Baixe este release em DOC
Fotos – Vernissage – para divulgação

O Artista Plástico e Psicanalista Henrique Vieira Filho e demais Artistas participantes se reúnem para receber os homenageados e entrega de obras aos compradores da Exposição Coletiva do Projeto Re-Arte:

Músicas pintadas
Esculturas em telas

Figurativo tornado abstrato
Versos e prosas em imagens
Gastronomia degustada em Artes
Intervenção transformista em tela
Telas vertidas em moda sustentável
Cada Artista Re-Interpretando o outro

Sociedade Das Artes
Alameda Santos, 211 – São Paulo – SP
RSVP: Whatsapp:
+55 11 93800-1262

Teremos “Art Crossover” de estilos e formas de Artes distintas, cada qual sendo fonte de inspiração e objeto de releitura coletiva.

Art Works: “O Berço” and “Instinto” by  Melissa Zimosky / “Genesis” by Henrique Vieira Filho

Releituras de todos os tipos de Artes!

Artes plásticas: Henrique Vieira Filho apresenta releitura dos abstratos de Melissa Zimonsky, que releu os figurativos dele!

Projeto Re-Arte:Releituras Coletivas - Re-Art Collective Project: Arts Revisited
Etapas criativas: Os Artistas Henrique Vieira Filho, Monique Nunes combinam RELEITURAS de suas pinturas para o Projeto Re-Arte.

Teremos as pin ups “preto e branco” das aquarelas da Monique Nunes, nas tintas e cores do Henrique! E vice-versa!



Desfile de moda: a turma da Goretti criou roupas e acessórios com as telas (literalmente!) do Henrique e este retratou a sustentabilidade e ecologia da equipe em uma de suas pinturas inéditas.

Música ao vivo: Erica Pinna canta as telas de Henrique e este retrata a sua voz!

Gastronomia: Damodara Lila interpreta com Arte Culinária as telas de Henrique, que por sua vez, retrata o veganismo da chef.


Literatura: Fabiana Vieira traduz em palavras a Arte de Henrique e este ilustra seus versos!


Artes Cênicas:  Scarllet Anima faz intervenção ao vivo completando uma tela “transformista”!

Em Exposição na Sociedade Das Artes
Alameda Santos, 211 – São Paulo – SP

RSVP: Whatsapp: +55 11 93800-1262

Entrada franca

Artes em releitura mútua:

Henrique Vieira Filho – Arte figurativa, gravurista

Fabiana Vieira – Escritora e Terapeuta

Melissa Zimosky – Arte abstrata

Monique Nunes – Pin Ups em aquarela

Múcio Fernandes Junior – Ator de Scarllet Anima

Érica Pinna – Cantora

Maria Goretti Silva e equipe – Moda sustentável

Damodara Lila – Alta gastronomia vegana

O Projeto Re-Arte, organizado por Henrique Vieira Filho, propôs o desafio artístico de RELEITURA de obras selecionadas dos próprios Artistas participantes e homenagens a grandes nomes das Artes.

A entrada é franca, sendo a visitação mediante agendamento prévio: Whatsapp: +55 11 93800-1262

Para saber mais:

Agende sua exclusiva com os Artistas:
Henrique Vieira Filho
Alameda Santos, 211 cj 1411
São Paulo – SP – CEP 01419-000
www.henriquevieirafilho.com.br
[email protected]
+55 11 93800-1262

Tela Transformista – Re-Arte – Releituras Coletivas – Exposição Até 07 de Dez

A Mundialmente Inédita
Tela TRANSFORMISTA!

Baixe este release em DOC
Fotos do Vernissage para divulgação

Arte "Portrait Of Anima" - Artistas  Henrique Vieira Filho e Scarllet Anima
A obra, em seu estágio inicial, preparada por Henrique Vieira Filho, para que Scarllet Anima faça a intervenção.
Arte "Portrait Of Anima" - Artistas Henrique Vieira Filho e  Scarllet Anima
O Artista utilizou MAQUIAGEM para fazer a pintura em tela! Enquanto pintava, Scarllet Anima contou sua trajetória como Drag ao público.

Durante a Vernissage, desenvolveu-se a intervenção, ao vivo, sobre a pintura criada a quatro mãos (Artista Plástico Henrique Vieira Filho e Múcio Fernandes Junior – Ator de Scarllet Anima), em que Animus (o masculino) se transmuta em Anima (o feminino).

Arte "Portrait Of Anima" - Artistas Henrique Vieira Filho e Scarllet Anima
Um dos momentos mais emocionantes do Vernisasse do Projeto Re-Arte!

A intervenção, ao vivo, sobre a pintura criada a quatro mãos (Artista Plástico Henrique Vieira Filho e Múcio Fernandes Junior – Ator de Scarllet Anima), em que Animus (o masculino) se transmuta em Anima (o feminino).


O Artista utilizou MAQUIAGEM para fazer a pintura em tela!Enquanto pintava, Scarllet Anima contou sua trajetória como Drag ao público.

A foto representa o momento em que a obra é desvendada ao público.

Arte "Portrait Of Anima" - Artistas Henrique Vieira Filho e Scarllet Anima
A Mundialmente Inédita Tela TRANFORMISTA! Arte “Portrait Of Anima” – Artistas Henrique Vieira Filho e Scarllet Anima – 80×120 cm – Técnica Mista

Além de Artista Plástico, Henrique Vieira Filho é Psicanalista e falou um pouco da importância desta intervenção artística:

“_Boa parte de nossa saúde emocional depende da compreensão e equilíbrio de nossas qualidades Animus (masculino) e Anima (feminino).

O Artista Múcio Fernandes Junior utiliza das artes cênicas para materializar seu feminino por meio do alter ego Scarllet Anima e eu, por minha vez, retratando mulheres poderosas e fascinantes!

É A Arte como terapia transformadora (até transformista!) do Eu e da Sociedade!”

Projeto RE-ARTE

Em Exposição até 07/12, na Sociedade Das Artes
Alameda Santos, 211 – São Paulo – SP

RSVP: Whatsapp: +55 11 93800-1262

Entrada franca

Vernissage Re Arte

02 DEZ 2018 – 15 às 20hs
Re-Arte:Releituras Coletivas

Clique e “baixe” release COMPLETO em DOC  
Clique Aqui e acesse imagens, vídeos e textos para divulgação

O Artista Plástico e Psicanalista Henrique Vieira Filho e demais Artistas Convidados apresentam suas obras no Vernissage deste dia 02/12 (entrada franca), com a conclusão do Projeto Re-Arte:

Músicas pintadas
Esculturas em telas
Versos que vertem tinta
Figurativo tornado abstrato
Gastronomia degustada em Artes
Intervenção transformista em tela
Telas vertidas em moda sustentável
Cada Artista Re-Interpretando o outro

Vernissage dia 02/12, das 15 às 20hs, na Sociedade Das Artes
Alameda Santos, 211 – São Paulo – SP
RSVP: Whatsapp:
+55 11 93800-1262

Re Arte - Vernissage - Artista Henrique Vieira Filho
Re Arte – Vernissage – Artista Henrique Vieira Filho
Atrações Artísticas – Projeto Re Arte

Teremos “Art Crossover” de estilos e formas de Artes distintas, cada qual sendo fonte de inspiração e objeto de releitura coletiva.

Música ao vivo, gastronomia vegana e muitas interações artísticas!
Releituras de todos os tipos de Artes!

Artes plásticas: Henrique Vieira Filho apresenta releitura dos abstratos de Melissa Zimonsky, que releu os figurativos dele!

Teremos as pin ups “preto e branco” das aquarelas da Monique Nunes, nas tintas e cores do Henrique! E vice-versa!

Desfile de moda: a turma da Goretti criou roupas e acessórios com as telas (literalmente!) do Henrique e este retratou a sustentabilidade e ecologia da equipe em uma de suas pinturas inéditas.

Música ao vivo: Erica Pinna canta as telas de Henrique e este retrata a sua voz!

Gastronomia: Damodara Lila interpreta com Arte Culinária as telas de Henrique, que por sua vez, retrata o veganismo da chef.

Literatura:
Fabiana Vieira traduz em palavras a Arte de Henrique e este ilustra seus versos!

Artes Cênicas:  Scarllet Anima faz intervenção ao vivo completando uma tela “transformista”!

Artes em releitura mútua:

Henrique Vieira Filho – Arte figurativa, gravurista
Fabiana Vieira – Escritora e Terapeuta
Melissa Zimosky – Arte abstrata
Monique Nunes – Pin Ups em aquarela
Múcio Fernandes Junior – Ator de Scarllet Anima
Érica Pinna – Cantora
Maria Goretti Silva e equipe – Moda sustentável
Damodara Lila – Alta gastronomia vegana

O Projeto Re-Arte nasceu da “provocação” da crítica-suprema, Aracy Amaral, que interpreta o momento como sendo “crise” na Arte Contemporânea:

Artistas hoje são mais editores que criadores. Eles se apropriam de imagens de televisão, histórias em quadrinhos, de pequenos desenhos que saem nos meios de comunicação de massa, de celulares e editam formas.”

Sendo ou não “crise”, já está duradoura o suficiente para que seja admitida e estudada, bem como ter seu justo espaço junto às instituições oficiais voltadas às Artes.

O Projeto Re-Arte, organizado por Henrique Vieira Filho, propôs o desafio artístico de RELEITURA de obras selecionadas dos próprios Artistas participantes e homenagens a grandes nomes das Artes.

A entrada é franca, sendo a visitação mediante agendamento prévio: Whatsapp: +55 11 93800-1262

Para saber mais:

Agende sua exclusiva com os Artistas:
Henrique Vieira Filho
Alameda Santos, 211 cj 1411
São Paulo – SP – CEP 01419-000
www.henriquevieirafilho.com.br
[email protected]
+55 11 93800-1262


Re-Arte – Abstrato vs Figurativo – Henrique Vieira Filho E Melissa Zimosky

Clique para download do release completo em DOC

elas O Berço e Instinto, de Melissa Zimosky que passarão por releituras de Henrique Vieira Filho

No Brasil, o Projeto Re-Arte:Releituras Coletivas: Os Artistas Melissa Zimosky (arte abstrata) e Henrique Vieira Filho (arte figurativa) combinam RELEITURAS de suas pinturas para o Projeto Re-Arte:

Obras de Melissa Zimosky: O Berço e Instinto
Obras de Melissa Zimosky:O Berço – 60 x 60 cm – Instinto – 50 x 70 cm


Henrique: “_ Como Psicanalista, as pinturas figurativas de Melissa me transportam para o infinito e ainda evocam a feminilidade em sua essência. E, como Artista Plástico, o brilho, a intensidade das cores me fascinaram, por isso, escolhi estas Artes para fazer a RELEITURA!”.

Projeto Re-Arte
Músicas pintadas
Esculturas em telas
Obras de Arte Para Vestir
Figurativo tornado abstrato
Cada Artista Re-Interpretando o outro

As etapas iniciais do processo criativo do Artista Plástico Henrique Vieira Filho envolvem pintura corporal, caracterização de personagem e sessões fotográficas em seu estúdio, gerando materiais de base para sua pintura em tela.

Pintura Corporal sobre grávida – Artista Henrique Vieira Filho
Processo criativo para releituras das telas abstratas de Melissa Zimonsky que serão reinterpretadas como pinturas figurativas


Henrique: “_ Foi uma grata surpresa que a modelo que chamei esteja GRÁVIDA (não sabia…), criando total sincronicidade com a tela O Berço, de Melissa Zimosky”.

Neste dia 12 de novembro, a Sociedade Das Artes abre sua Galeria ao público, para a Pocket Exhibition do Projeto Re-Arte, expondo uma prévia do que será a Exposição Principal.

Agende sua visita:

Alameda Santos, 211 cj 1411 – São Paulo – SP – CEP 01419-000
www.sociedadedasartes.com.br
[email protected]
+55 11 93800-1262

Culminando, a Exposição Principal do Projeto Re-Arte será realizada dia 02 de dezembro, contando com as obras dos diversos Artistas e suas releituras, incluindo desfile de roupas e acessórios criados com o reaproveitamento e releituras de telas do Artista Henrique Vieira Filho, sob a supervisão da professora de moda sustentável Maria Goretti Silva (o objetivo posterior é desenvolver produtos a serem comercializados por ONGs beneficentes).

Telas e lonas de Exposições e Obras de Arte de Henrique Vieira Filho transpostas em Moda Sustentável como roupas e acessórios.
Telas e lonas de Exposições e Obras de Arte de Henrique Vieira Filho transpostas em Moda Sustentável como roupas e acessórios.

Telas e lonas de Exposições e Obras de Arte de Henrique Vieira Filho transpostas em Moda Sustentável como roupas e acessórios.

Para saber mais:

Processo Criativo em 360º:

A Morte Em Terapia E Nas Artes

Finados – Arte E Terapia Na Elaboração Da Morte
Artigo do Artista e Psicanalista Henrique Vieira Filho

Baixe o release completo em DOC

Art works: Angel of Death and D’Arkangel - Artist: Henrique Vieira Filho
À Direita: Title: D’ArkangelArtist: Henrique Vieira FilhoMixed media on canvasSize: 80 x 120 cm – 31,5 x 47,25 inchesYear: 2017Á Esquerda:Title: Angel of DeathArtist: Henrique Vieira FilhoMixed media on canvasSize: 80 x 120 cm – 31,5 x 47,25 inches Year: 2017

Enquanto algumas culturas festejam (México) e outras homenageiam (Japão), o Brasil herda tradições que cultuam o sofrimento sobre a importante pauta que é a MORTE.

As Artes expressam e transmitem sentimentos universais, por isso, é natural que a representação da mortalidade seja recorrente na pintura, literatura, teatro, cinema, enfim, todos os gêneros, possibilitando a cada observador a oportunidade de catarse emocional.

Seja em terapêutica (apreciação artística), seja explícita em consultório (arteterapia), Arte e Terapia se somam em nosso benefício para melhor lidarmos com a morte, tema onipresente neste período celebrativo de finados.

Title: Angel of Death Artist: Henrique Vieira Filho
Title: Angel of Death
Artist: Henrique Vieira Filho
Mixed media on canvas
Size: 80 x 120 cm – 31,5 x 47,25 inches Year: 2017

Title: D’Arkangel Artist: Henrique Vieira Filho
Title: D’Arkangel
Artist: Henrique Vieira Filho
Mixed media on canvas
Size: 80 x 120 cm – 31,5 x 47,25 inches
Year: 2017

Enquanto algumas culturas festejam (México) e outras homenageiam (Japão), o Brasil herda tradições que cultuam o sofrimento sobre a importante pauta que é a MORTE.

As Artes expressam e transmitem sentimentos universais, por isso, é natural que a representação da mortalidade seja recorrente na pintura, literatura, teatro, cinema, enfim, todos os gêneros, possibilitando a cada observador a oportunidade de catarse emocional.

Seja em terapêutica (apreciação artística), seja explícita em consultório (arteterapia), Arte e Terapia se somam em nosso benefício para melhor lidarmos com a morte, tema onipresente neste período celebrativo de finados.

Teóricos classificam a morte em categorias, sendo que, um deles, Kovács, M.J., em sua obra “Educação para a Morte – Temas e Reflexões”, nos apresenta o que nominou de morte escancarada, via de regra, do tipo violenta, em guerras, tragédias, desastres e emergências, envolvendo a banalização da morte, com superexposição da midia, o que tanto pode criar possibilidades de discussão, como tão somente gerar perplexidade e desconforto:

“A morte escancarada por ser inesperada não permite preparo prévio.

Envolve múltiplos fatores que podem dificultar a sua elaboração: perdas múltiplas (morte de várias pessoas da mesma família), perdas invertidas (filhos e netos que morrem antes de pais e avós), presença de corpos mutilados, desaparecimento de corpos e cenas de violência.” (Kovács)

Como complementação ao tópico acima, Philippe Ariès, nos apresenta outras classificações complementares de morte:

  • A “domada”, mais comum à Idade Média, onde morrer era um risco cotidiano, por doenças, ferimentos, e o temor maior era quanto à forma abrupta, que poderia impedir os rituais de despedida, como um evento familiar que incluía a espera no leito, o lamento pela vida, a evocação de pessoas e coisas amadas, o perdão e a absolvição sacramental. (Ariès, 2003).
  • A “interdita”, onde não era mais entendido como um fenômeno natural, sendo aplicada a “medicalização” da morte, quando os moribundos eram levados aos hospitais para morrer, lugar que era conveniente para esconder a repugnância e aspectos sórdidos ligados à doença. Dessa maneira, foi ficando mais comum a supressão do luto e das manifestações de dor. (Ariès, 2003)
  • E temos, ainda, a morte “reumanizada”, onde, ao invés da busca de a todo custo impedir ou adiar o falecimento, aplica-se a ortotanásia, onde se cuida para que a pessoa tenha uma morte digna, sem procedimentos que iriam somente prolongar a vida sem qualidade.

 

Projeto Re-Arte:Releituras Coletivas - Re-Art Collective Project: Arts Revisited
Art: CATrina - Artist: Henrique Vieira Filho
Art: CATrina – Artist: Henrique Vieira Filho

Independente de classificação, a morte é pauta em atendimentos de consultório, existindo até abordagens específicas, como a Terapia do Luto.

O processo de luto, quando bem vivenciado, facilita condições para uma adaptação à perda, despertando a disponibilidade para novos investimentos em sua vida, reorganização uma nova rotina para o dia a dia.

Mas, há fatores complicadores, conforme a circunstância do acontecimento do luto:

  • O “antecipatório”, quando, por exemplo, inicia desde o um diagnóstico de problemas de saúde incuráveis;.
  • O “parental”, que envolve a morte de filho, também é chamada de “morte invertida” e costuma envolver sentimentos de culpa dos pais;
  • O “adiado”, acontece normalmente quando não há vivência imediata da perda, por diversos fatores e só ocorre muito tempo após o acontecimento.
  • O “inaceitável”, quando não há amparo social e/ou nas crenças e costumes, como por exemplo, mortes de animais, aborto, ou de amantes.
  • O “suspenso”, que ocorre em casos de ausência ou desaparecimento do corpo;
  • Complementando, e bem no contexto atual, há ainda o luto “coletivo”, com a sensação de perda disseminada por toda uma coletividade, como o que se gerou perante o ataque terrorista em Paris e a tragédia sócio-ambiental em Mariana.

Boa parte dos teóricos, para fins de facilitar o entendimento, descrevem o que chamam de “fases do luto”.

Klüber-Ross (1996) é talvez a referência mais citada, classificando em cinco fases do luto, que também se aplicavam as pessoas que vivenciavam outros tipos de perda:

  • “Negação”, quando a pessoa parece não acreditar que ocorreu a morte;
  • “Raiva”, marcado por sentimentos de revolta, ressentimento e até a atribuição de causa ou culpa para algo ou alguém;
  • “Barganha”, período em que ocorre uma espécie de negociação que possa mudar ou evitar a perda. É comum o apelo a entidades divinas e quaisquer crenças por meio de pactos ou promessas;
  • “Melancolia”, período de extrema tristeza, introspecção e isolamento;
  • “Aceitação”, que é a fase derradeira, mas que não significa o fim do sofrimento, mas um período em que a pessoa deixa de lutar contra a morte, a aceita e isso facilita o enfrentamento.

A Terapia Holística possui muitos instrumentos para que possamos atuar como mediadores, catalisadores do processo de luto.

Uma das vertentes mais procuradoras e bastante polêmica é a Terapia Comportamental, que propõe “tarefas” a serem executadas pelo Cliente, algo como um “passo a passo”, com prazos e metas.

Claro, sempre é tentador, tanto para a pessoa atendida, quanto para o Profissional, trabalhar dentro de uma expectativa de tempo e de resultados e, muitas vezes, é necessário, como, por exemplo, nos casos de pessoas que sejam arrimos emocionais e/ou financeiros dos demais, não sendo possível ficar sem a retomada de suas rotinas de vida.

Outrossim, devemos sempre ter em mente que obter resultados na alteração do comportamento (como, por exemplos, a pessoa cessar com os choros, volta a trabalhar, a cuidar dos filhos…), muitas vezes implica em estarmos adiando o contato com o sofrimento, ou, ainda pior, estarmos predispondo à somatização do trauma, o qual, não encontrando espaço para manifestar-se emocionalmente, passará ao corpo, em diferentes graus de seriedade.

Sempre que possível, devemos adotar a linha terapêutica humanista, onde não existe um roteiro ou prazo pré-estipulado, permanecendo a Terapia à disposição do Cliente, que levará o tempo que for necessário para conseguir lidar com a perda, redefinir os papéis e retomar sua vida, em sua nova forma.

Paralelamente aos métodos Psicoterápicos, podemos contar com as técnicas de equilíbrio energético de meridianos, de chakras e, é claro, a popular Terapia Floral, com seu vasto leque de essências, adequadas a cada etapa emocional de nossos Clientes.

Desde a consagrada composição do Rescue Remedy, que atua muito bem em momentos de grande variação emocional, até o ideal, que sempre é personalizar a escolha das essências, adequando ao exato momento vivenciado pelo Cliente, os Florais de Bach contam com longa tradicional de auxílio ao luto.

 

Title: Katrina Gioconda
Artist: Henrique Vieira Filho
Mixed media on canvas
Size: 80 x 120 cm -  31,5 x 47,25 inches
Year: 2017
Title: Katrina Gioconda – Artist: Henrique Vieira Filho

 

Esta pauta teria que ser aprofundada muito além do espaço destinado a este Artigo, razão pela qual, pretendo retomar e complementar este tema, em futuras oportunidades.

 

Que todos saibam que sempre terão, na Terapia Holística e na ARTE, excelentes pontos de apoio para a harmonização em suas vidas.

 

 

Arte E Terapia, com Henrique Vieira Filho

www.henriquevieirafilho.com.br [email protected]

+55 11 93800-1262

Esquerda (Paris) e Direita (New York) Unidas Nas Artes de Henrique Vieira Filho

Clique e baixe release em DOC

Henrique Vieira Filho , direto dos EUA para a França, para ser ainda mais globalizante, as telas selecionadas homenageiam o Japão!

Paris - Un Voyage A Travers La Perspective - A Journey Through Perspective - Artiste Henrique Vieira Fiho
Paris – Un Voyage A Travers La Perspective – A Journey Through Perspective – Artiste Henrique Vieira Fiho

Com exposições sequenciais, antes na Saphira & Ventura Gallery (USA – New York), agora na Galerie Artitude Art Contemporain (Paris – França) e, a seguir, no MIIT – Museo Internazionale Italia Arte (Turin – Itália), ainda assim, nosso Artista Henrique Vieira Filho mantém o ritmo no Brasil, com o Projeto Re-Arte!

Obras De Henrique Vieira Filho Para A Exposição em Paris:

Tela “1000 Tsurus”, do Artista Henrique Vieira Filho
A tela “1000 Tsurus”, do Artista Henrique Vieira Filho apresenta, literalmente, 1000 pássaros colorindo a tela, em uma revoada pela paz. A pose da figura feminina homenageia a estátua na Praça da Paz, em Nagasaki, Japão

Title: 1000 Tsurus  – Artist:  Henrique Vieira Filho
Mixed media on canvas – Size: 80 x 120 cm – Year: 2017

Title: Wings Of Desires Artist: Henrique Vieira Filho
Title: Wings Of Desires Artist: Henrique Vieira Filho Mixed media on canvas Size: 120 x 80 cm Year: 2017

O Universo pede mil tsurus origamis em troca de cada desejo, que nesta obra de  Henrique Vieira Filho , voa pelos céus transbordando paz e esperança.

Para saber mais:

Biografia – Henrique Vieira Filho
Re-Arte:Releituras Coletivas
Temporada Europeia – Projeto Rearte
Processo Criativo – Re-Arte – Releituras Coletivas

No Brasil, o Projeto Re-Arte:Releituras Coletivas:

O Artista Visual Henrique Vieira Filho convida ao seu estúdio, onde apresenta apresenta sua primeira releitura das aquarelas da Bióloga e Artista Plástica Monique Nunes para o Projeto Re-Arte:

Title: CATrina – Artist: Henrique Vieira Filho

Etapas criativas: o Psicanalista Henrique Vieira Filho e a Bióloga Monique Nunes combinam RELEITURAS de suas pinturaspara o Projeto Re-Arte:

As etapas iniciais do processo criativo do Artista Plástico Henrique Vieira Filho envolvem pintura corporal caracterização de personagem e sessões fotográficas em seu estúdio, gerando materiais de base para sua pintura em tela.

Sob a direção de Henrique Vieira Filho, a Artista Plástica Monique Nunes encarna a personagem de suas próprias aquarelas

Sob a direção de Henrique Vieira Filho, a Artista Plástica Monique Nunes encarna a personagem de suas próprias aquarelas.

Por ser Bióloga e admiradora de felinos, com os quais interagiu na na África do Sul (Cheetah Outreach), Henrique optou por lhe estampar como um Guepardo:

Sob a direção de Henrique Vieira Filho, a Artista Plástica Monique Nunes encarna a personagem de suas próprias aquarelas

Henrique: “_ Como Psicanalista, as aquarelas da Monique, com a sensualidade e a simbologia arquetípica do gato prontamente prenderam minha atenção. E, como Artista Plástico, a tonalidade sépia e a temática “pin up” me cativaram. Por isso, escolhi esta Arte para fazer a RELEITURA!”.

Re Arte Músicas pintadas Esculturas em telas Versos que vertem tinta Figurativo tornado abstrato Cada Artista Re-Interpretando o outro

Monique:

“_ Sempre admirei as Artes mexicanas relacionadas ao “Dia De Los Muertos”, tanto é que tenho uma tatuagem nesse estilo! Por isso, dentre as telas do Henrique, esta foi a que escolhi!”.

Música transposta em tela… Tela revisitada como escultura… História em Quadrinhos inspirando pinturas.. Ilustrações em papel tornadas pinturas em técnicas mistas… E /ou vice-versa!

Nas próximas semanas, publicaremos o andamento das Artes e, ao na sequência do Projeto Re-Arte, as obras dos diversos Artistas ficarão em Exposição na Sociedade Das Artes.

Para saber mais:

Agende sua exclusiva com os Artistas:

Alameda Santos, 211 cj 1411 –São Paulo – SP – CEP 01419-000

www.henriquevieirafilho.com.br
[email protected]
+55 11 93800-1262

Roger Waters No Divã E Nas Telas de Henrique Vieira Filho

Link para fotos de divulgaçãoClique Aqui Para Release em DOC

Para o Projeto Re-Arte, o Artista Plástico e Psicanalista Henrique Vieira Filho transforma em pinturas o álbum musical The Wall (Pink Floyd – Roger Waters):

Detalhes da Tela

Tela “Rio Wall” – nos detalhes, temos Roger Waters grafitando e Salvador Dali acobertando… Artista: Henrique Vieira Filho – obra na Europe 2018 Art Exhibition

Nas palavras do Terapeuta Henrique Vieira Filho:

¨_ Certas produções artísticas equivalem à soma de muitas aulas teóricas de Psicanálise…

É o caso da obra de Roger Waters, denominada “The Wall”, cujas músicas e vídeos criam um retrato vívido de como uma pessoa pode “emparedar” traumas, construindo uma “muralha emocional” que o separa/protege de seus sentimentos, impulsos e recordações.”

Clique Aqui e saiba mais sobre sistemas de defesa emocionais.

Title: The Wall Artist: Henrique Vieira Filho Mixed media on canvas Size: 120 x 80 cm -  47,25 x 31,5 inches

O Artista homenageia Roger Waters (Pink Floyd), retratado como o rosto que horroriza e de braços abertos na explosão de cores prismáticas que nos liberta do muro de nossos traumas.

O Artista homenageia Pink Floyd ressaltando a simbologia ambivalente do martelo (que tanto constrói, quanto destrói) e do muro (que protege, porém isola).

Title: Hammer March – Artist: Henrique Vieira Filho
Floyd ressaltando a simbologia ambivalente do martelo (que tanto constrói, quanto destrói) e do muro (que protege, porém isola).

De 10 a 19/10, o Projeto Re-Arte reabre a apresentação: “Músicas Em Tinta” – a visitação é mediante agendamento prévio – utilize o Whatsapp: +55 11 93800-1262

Projeto Re-Arte

O Projeto Re-Arte propõe o desafio artístico de RELEITURA de obras selecionadas dos próprios Artistas participantes e homenagens a grandes nomes das Artes.

É aberto a todos os ramos artísticos, propondo “Art Crossover” de estilos e formas de Artes distintas, cada qual sendo fonte de inspiração e objeto de releitura coletiva.

Música transposta em tela… Tela revisitada como escultura… História em Quadrinhos inspirando pinturas…

Ilustrações em papel tornadas pinturas em técnicas mistas..

E /ou vice-versa!

O Artista Plástico e Psicanalista Henrique Vieira Filho compartilha seu estúdio para o Projeto Re-Arte:

Re Arte

Músicas pintadas

Esculturas em telas

Versos que vertem tinta

Figurativo tornado abstrato

Cada Artista Re-Interpretando o outro

Nas palavras da crítica-suprema, Aracy Amaral, que interpreta o momento como sendo “crise” na Arte Contemporânea:

Artistas hoje são mais editores que criadores. Eles se apropriam de imagens de televisão, histórias em quadrinhos, de pequenos desenhos que saem nos meios de comunicação de massa, de celulares e editam formas.”

Sendo ou não “crise”, já está duradoura o suficiente para que seja admitida e estudada, bem como ter seu justo espaço junto às instituições oficiais voltadas às Artes.

Re Arte - Releitura Coletiva -Etapas criativas: o Psicanalista Henrique Vieira Filho e a Bióloga Monique Nunes combinam RELEITURAS de suas pinturas. Obras

Re Arte – Releitura Coletiva -Etapas criativas: o Psicanalista Henrique Vieira Filho e a Bióloga Monique Nunes combinam RELEITURAS de suas pinturas. Obras “Angel of Death” e “Cat Woman”, respectivamente

O Artista Plástico e Psicanalista Henrique Vieira Filho apresenta sua releitura das aquarelas da da Bióloga e Artista Plástica Monique Nunes

O Artista Plástico e Psicanalista Henrique Vieira Filho apresenta sua releitura das aquarelas da Bióloga e Artista Plástica Monique Nunes

PAGE_BREAK: PageBreak

O Projeto Re-Arte, organizado por Henrique Vieira Filho, propõe o desafio artístico de RELEITURA de obras selecionadas dos próprios Artistas participantes e homenagens a grandes nomes das Artes.

Teremos “Art Crossover” de estilos e formas de Artes distintas, cada qual sendo fonte de inspiração e objeto de releitura coletiva.

Música transposta em tela… Tela revisitada como escultura… História em Quadrinhos inspirando pinturas..

Ilustrações em papel tornadas pinturas em técnicas mistas..

E /ou vice-versa!

Toda primeira segunda-feira de cada mês, as Obras resultantes serão gradativamente expostas ao público (entrada franca), no interativo formato adotado pelo Movimento Slow Art

A visitação é mediante agendamento prévio (grupos propositadamente limitados a um máximo de quatro participantes por vez). Utilize o Whatsapp: +55 11 93800-1262

Para saber mais:

Agende sua exclusiva:

Alameda Santos, 211 cj 1411 – São Paulo – SP – CEP 01419-000

www.henriquevieirafilho.com.br[email protected]

+55 11 93800-1262

Projeto Re-Arte – 1a Fase

Clique para download do release em DOC

O Artista Plástico e Psicanalista Henrique Vieira Filho abre seu atelier de 06 a 09/08 para a 1a etapa do Projeto Re-Arte:

Releituras De Esculturas Em Telas - Artista: Henrique Vieira Filho
Releituras De Esculturas Em Telas – Artista: Henrique Vieira Filho

 Em homenagem ao Dia Da Paz (data da explosão em Hiroshima) e aos 110 Anos da Imigração Japonesa, destaca-se: 
Re-Arte: Esculturas Em Releitura Sobre Tela
Re-Arte: Esculturas Em Releitura Sobre Tela
“Estátua Da Paz”,do Escultor Seibou Kitamura e tela “!000 Tsurus”, do Artista Plástico Henrique Vieira Filho

Estátua Da Paz”, do escultor Seibou Kitamura e (data das explosões em Hiroshima e Nagazaki) e sua releitura na tela “1000 Tsurus”, do Artista Henrique Vieira Filho:
 Tela “Sadako”, do Artista Henrique Vieira Filho
“Monumento das Crianças à Paz” (Torre dos Tsurus), de 1958, instalada no Parque da Paz, em Hiroshima, que eterniza a pequena Sadako Sasaki e sua releitura na tela “Sadako”, do Artista Henrique Vieira Filho:

“Monumento das Crianças à Paz” (Torre dos Tsurus), de 1958, instalada no Parque da Paz, em Hiroshima, que eterniza a pequena Sadako Sasaki e sua releitura na tela “Sadako”, do Artista Henrique Vieira Filho:
 
A visitação é mediante agendamento prévio (grupos propositadamente limitados a um máximo de quatro participantes por vez). Entrada franca.

Sem burocracia, utilize o Whatsapp: +55 11 93800-1262

Alameda Santos, 211 cj 1411

São Paulo – SP – CEP 01419-000

 
Para saber mais:

Ler maisProjeto Re-Arte – 1a Fase

Ego, Oblivion & Connection

O Artista Plástico e Psicanalista Henrique Vieira Filho elucida o fenômeno da projeção do Ego em obras de Arte e convida para sua Exposição, em New York, “Ego, Oblivion & Connection

Clique para download do release em formato DOC

Ego, Oblivion & Connection.
Ego, Oblivion & Connection.
VIP RECEPTION
JULY 27 – 7:00 PM – 9:30 PM
Saphira & Ventura Gallery
4 W43rd Street, Suite 415
New York

Em nosso mundo psíquico, um sentimento, uma lembrança, a princípio, conscientes, podem ser relegados a um “segundo plano”, ao inconsciente, enquanto nossa atenção é mantida em outra pauta…
Muitas vezes, isso decorre de uma DEFESA “automática”.
Artwork "Colossus Of New York" - Artist: Henrique Vieira Filho
Artwork “Colossus Of New York” – Artist: Henrique Vieira Filho
Nesta obra, Henrique Vieira Filho homenageia New York, pintando seus edifícios icônicos e um paralelo entre a Estátua da Liberdade e o Colosso de Rodes, inspirado na gravura de Maarten van Heemskerck, de 1570.

Da mesma forma que possuímos um “sistema imunológico” que atua alheio à nossa percepção consciente, nos defendendo do que considerar nocivo, igualmente possuímos SISTEMAS DE DEFESA psíquica que, de forma inconsciente, agem “protegendo” nosso consciente daquilo em que ele, em tese, não está apto a lidar.
Uma das defesas mais típicas é chamada, no jargão psicanalítico, de Projeção:
Nesta forma de auto-defesa, desloca-se aspectos de nossa personalidade, sentimentos, emoções, para o meio “exterior”, como se não fôssemos nós, mas sim, “outra” pessoa, animal ou objeto quem possuísse essas características.
Para evitar-se de enxergar e compreender em nós mesmos certos pensamentos, impulsos e desejos, passamos a “projetá-los” em terceiros, direcionando também nossa desaprovação ou admiração para estes.
De certo que todo Artista projeta a si mesmo em suas obras.
Outrossim, nem sempre se destaca que o OBSERVADOR DE ARTE igualmente “projeta” aspectos de seu psiquismo em cada obra que aprecia.
Nem mesmo os profissionais das artes, ou seja, curadores, críticos, marchands, galeristas,  estão “imunes” a este “espelhamento”, pois ocorre de forma inconsciente.
Sempre que posso, realizo minhas exposições nos padrões do Movimento  Slow Art (iniciado em 2008, por  Phil Terry), onde cada visitante é convidado a escolher a tela que mais lhe impressionou e passar alguns minutos a observando, tocando, fotografando, enfim, intensificado ao máximo a apreciação.
Na sequência, em pequenos grupos coordenados pelo Artista, cada qual expõe suas impressões e sentimentos sobre a tela.
Paralelamente, são realizados exercícios lúdicos de imaginação, onde cada qual é “projetado” em sua tela preferida, resultando em grandes “insights” sobre si mesmo.
Esta “nova” (na verdade, o movimento teve início oficial faz 10 anos…) forma de apreciar Arte foi “clonada”, ops, quero dizer, adotada pela Bienal 2018, com o nome “Convite À Atenção”.
Para explicar um pouco mais sobre as vivências em ARTETERAPIA, podemos utilizar arquétipos, símbolos universais, para “espelhar” as emoções.
Por exemplo, podemos nos valer da Mitologia Grego-Romana, no caso, o Titã Helios, o qual, sendo o próprio Sol, percorre todos os recantos e a tudo vê e tudo sabe… W, aquele que “tudo vê” sempre tem algo a nos mostrar, em nós mesmos!
Com a “luz de Hélios”, podemos ser guiados ao autoconhecimento, conectando ao nosso inconsciente, trazendo à tona inúmeras memórias reprimidas.
Um dos símbolos mais conhecidos em homenagem a este Titã é a estátua Colosso De Rhodes (uma das sete maravilhas do mundo antigo), a qual, com sua tocha , guiava os navios em segurança.
Para a Exhibition “Ego, Oblivion & Connection”, realizei uma versão moderna da divindade, transpondo-a para a Estátua Da Liberdade em um cenário nova-iorquino.
Artwork “Colossus Of New York” – Artist: Henrique Vieira Filho
Nesta obra, Henrique Vieira Filho homenageia New York, pintando seus edifícios icônicos e um paralelo entre a Estátua da Liberdade e o Colosso de Rodes, inspirado na gravura de Maarten van Heemskerck, de 1570.

Tela: “Colossus Of New York” – 120 x 80 cm – Gravura – Técnica Mista –

Artista: Henrique Vieira Filho

 
Para saber mais:
Biografia – Henrique Vieira Filho
Sistemas De Defesa Emocional
Balanço comparativo: Slow Art x SP-Arte
Slow Movement: Desacelere, Viva Muito e Viva Bem!
 
Agende sua exclusiva com o Artista:
Alameda Santos, 211 cj 1411
São Paulo – SP – CEP 01419-000
www.henriquevieirafilho.com.br
[email protected]
+55 11 93800-1262

Ego, Esquecimento E Conexão

 O Artista Plástico e Psicanalista Henrique Vieira Filho elucida o esquecimento como uma defesa do Ego a evitar a conexão com traumas e o porque da pintura selecionada para sua Exposição, em New York, “Ego, Oblivion & Connection
Clique para download do release em formato DOC

Artwork "Colossus Of New York" - Artist: Henrique Vieira Filho
Artwork “Colossus Of New York” – Artist: Henrique Vieira Filho Nesta obra, Henrique Vieira Filho homenageia New York, pintando seus edifícios icônicos e um paralelo entre a Estátua da Liberdade e o Colosso de Rodes, inspirado na gravura de Maarten van Heemskerck, de 1570.

     Em nosso mundo psíquico: um sentimento, uma lembrança, a princípio, conscientes, podem ser relegados a um “segundo plano”, ao inconsciente, enquanto nossa atenção é mantida em outra pauta…
     Muitas vezes, isso decorre de uma DEFESA “automática”.
     Da mesma forma que possuímos um “sistema imunológico” que atua alheio à nossa percepção consciente, nos defendendo do que considerar nocivo, igualmente possuímos SISTEMAS DE DEFESA psíquica que, de forma inconsciente, agem “protegendo” nosso consciente daquilo em que ele, em tese, não está apto a lidar.
    Uma das defesas mais típicas é chamada, no jargão psicanalítico, de Repressão:
    Consiste em relegar ao inconsciente um evento, idéia, sentimentos ou percepções potencialmente provocadores de ansiedade; contudo, o elemento reprimido ainda é parte da psique, o que requer um constante consumo de energia já que o reprimido faz tentativas constantes para encontrar uma saída. Sintomas físicos e psíquicos dos mais variados podem ter origem neste esforço de reprimir. A repressão é o “esquecimento” inconsciente de fatores psíquicos relevantes que são incompatíveis com a auto-imagem que possuímos.
     Tanto em vivência lúdicas de consultório, quanto nas Artes, podemos nos valer da Mitologia Grego-Romana, no caso, o Titã Helios, sendo o próprio Sol, percorre todos os recantos e a tudo vê e tudo sabe…
     Com a “luz de Hélios”, podemos ser guiados ao autoconhecimento, conectando ao nosso inconsciente, trazendo à tona inúmeras memórias reprimidas.
     Um dos símbolos mais conhecidos em homenagem a este Titã é a estátua Colosso De Rhodes (uma das sete maravilhas do mundo antigo), a qual, com sua tocha , guiava os navios em segurança.
Para a Exhibition “Ego, Oblivion & Connection, realizei uma versão moderna da divindade, transpondo-a para a Estátua Da Liberdade em um cenário nova-iorquino.
Artwork "Colossus Of New York" - Artist: Henrique Vieira Filho
Artwork “Colossus Of New York” – Artist: Henrique Vieira Filho
Nesta obra, Henrique Vieira Filho homenageia New York, pintando seus edifícios icônicos e um paralelo entre a Estátua da Liberdade e o Colosso de Rodes, inspirado na gravura de Maarten van Heemskerck, de 1570.

Tela: “Colossus Of New York” – 120 x 80 cm – Gravura – Técnica Mista –

Artista: Henrique Vieira Filho

Ego, Oblivion & Connection.
Ego, Oblivion & Connection.
VIP RECEPTION
JULY 26 – 7:00 PM – 9:30 PM
Saphira & Ventura Gallery
4 W43rd Street, Suite 415
New York


Para saber mais:

Biografia – Henrique Vieira Filho

Sistemas De Defesa Emocional

 
Agende sua exclusiva com o Artista:

Alameda Santos, 211 cj 1411

São Paulo – SP – CEP 01419-000

www.henriquevieirafilho.com.br

[email protected]

+55 11 93800-1262